Vão-se os amores, ficam os sabores…

De plena fervura, em banho-maria, fritos em óleo quente, gelados e refrescantes, platônicos, impossíveis, proibidos, cafonas, de vanguarda, testados, consumados, irreproduzíveis, densos, adolescentes, fáceis, previsíveis, de execução difícil, enlatados ou passados na manteiga.

Existe um paralelo entre as receitas e os fascínios amorosos, creio eu.

Aqui, entenda fascínio amoroso como um grande alguidar de barro onde cabem desde os namoricos da infância até as mais adultas fantasias, dos relacionamentos profundos e duradouros aos encontros de olhar na escadaria do metrô.

Como não é segredo que as sensações despertadas pela comida em muito se assemelham às experiências afetivas de todo tipo, os objetos do desejo não raro influenciam o comportamento culinário de sua Dadivosa interior.

No intuito científico de testar essa hipótese, convido o Leitor e a Leitora a realizar uma pequena viagem exploratória nas prateleiras de sua despensa amorosa.

Uma paixão estrangeira (ou diferente, de outro estado, cidade, religião ou nação) traz à tona nomes de pratos nunca ouvidos antes, ingredientes exóticos, um tempero diferente para testar no feijão, que seja.

Da mesma forma, o aniversário do(a) coleguinha da primeira série pode explicar seu amor ou ódio pelo perfume do infalível cravo espetado no beijinho.

Minha timidez aqui repete sem parar que o peixe e para o fundo das redes, segredos pra quatro paredes, motivo pelo qual acabo de fornecer dois exemplos bem do genéricos e impessoais.

Permito-me dizer, entretanto, que o Leitor e a Leitora podem chegar à conclusão de que aquele prato carregado de paixão ainda excita as papilas gustativas, mas não há como lembrar do nome de quem o apresentou. Ou que o tempero exótico de outras terras acabou virando sua marca registrada, seu ingrediente secreto pro churrasco ou pro guisado, mas o(a) forasteiro(a) virou uma poeira disforme, incomestível e desinteressante. Por favor, não se assuste com essa constatação.

Vão-se os amores, ficam os sabores… prontinhos para empregar em suas receitas e fascínios carnais, platônicos, serenos, de plena fervura, em banho-maria…

Minha viagem à despensa amorosa foi desencadeada por este comentário da leitora Eugenia, que foi apresentada à combinação de salmão com endro por um ex-namorado sueco.



13 comentários em “Vão-se os amores, ficam os sabores…

  1. Vicki

    ahaha, a Eugenia vai ficar se achando: foi apresentada ontem ao Dadivosa (via Vicki! Sim, eu exijo creditos!) e ja esta inspirando um post! Eugenia, agora nao tem desculpa para nao levar teu pave de Bis amanha no churrasco… beijos

    Responder
  2. Pingback: esquizophonia » Vão-se os amores, ficam os sabores…

  3. Eugenia

    ahahahaha! É verdade, Dadivosa, foi a querida amiga Vicki que me apresentou a este site maravilhoso. E realmente, estou “me achando” por ter inspirado um post tão delicado e… saboroso, com o perdão do trocadilho.

    Realmente, comida e amor tem tuuudo a ver. Namorar um gringo, então, ensina muito! O dill em sueco é dill mesmo, e eu q ajudei meu ex a achar a ervinha aqui no Rio, numa feira livre em Ipanema. Não só o sabor do salmão muda como tbm faz aquele verdinho faz mó contraste visual, né?

    Tem dois restaurantes suecos em Penedo sensacionais. A culinária deles é bem prática, com muita coisa fria, “tábuas” com diversas coisinhas pra beliscar… Ah, e eles curtem uma geleiazinha vermelha de uma frutinha lá deles… colocam em tudo. Ah, e curtem também uma espécie de arenque defumado bem fedorentinha mas q é uma delícia! Vem em latinhas vermelhas.

    Uma vez por ano, eles fazem a “festa de Santa Lúcia”, ocasião em que servem um monte de coisas gostosas. Acho que vou procurar os conhecidos suecos pra saber quando é a data e “aparecer” para uma visita inocente bem no dia! :)

    Um beijo e tudo de bom!

    Responder
  4. Anacris

    Dadi, vou aproveitar seu post amoroso para fazer uma breve dedicatória de amor… a você!

    Como você sabe, almoço em casa diariamente, e há tempos eu fuço sites de culinária para ver se saio do esquema bife na segunda, porco na terça, frango na quarta, peixe na quinta que culmina obviamente no yakisobra de sexta. Funcional, porém cansativo. Volta e meia achava uma receitinha ou outra que me servia mas faltava algo.

    E finalmente achei o que os outros sites não têm: ALMA. Sim, minha querida e amada Dadivosa, é nesse ponto que está toda a diferença. Além de cores, aromas, texturas e sabores, seus quitutes têm alma. E me sinto até um pouco constrangida de dizer que quando faço uma das suas receitas é como se você estivesse ali na cozinha comigo, de avental e sorrisão lindo, fazendo fofocas culinárias.

    Enfim, obrigada por ter esse espaço, por dividir suas invenções, conquistas e até receitas familiares. Minhas refeições andam mais vivas por esses tempos.

    Um beijão.

    Responder
  5. Neuma Jonsson

    Oi Dadivosa! Q texto gostoso de ler! Completando o q a Eugênia escreveu, o dill é bem comum na culinária desse lado de cá. Pra falar a verdade eu só descobri e provei este tempero dp q vim morar aqui. Essa frutinha vermelha é o “lingon” q serve p acompanhar muitos pratos.O “lingon” é um arando e colhemos nas florestas na época do verão.
    Santa Lucia é comemorado dia 13 de dezembro, Eugënia…apare§a p uma visitinha ;)
    Bjos

    Responder
  6. Dadivosa

    Vicki, obrigada pela indicação :D

    Eugenia e Neuma, fiquei em cólicas para experimentar essa tal geléia de lingon… vou ver se encontro por essas bandas.

    Anacris, você vai direto para a galeria das Dadivosas Libertas! Muito obrigada pelo comentário tão repleto de carinho.

    Beijos

    ;***

    Responder
  7. Pingback: Dadivosa » Um homem inebriante, inesquecível, cheiroso…

  8. Pingback: Dadivosa » Um homem inebriante, inesquecível, cheiroso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>




Arquivos

Post aleatório

Quatre-épices
Quatre-épices

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail