Sábado é dia de Cuca

2411648592 c24a97586e o Sábado é dia de Cuca

De origem alemã, esse bolo-pão com cobertura doce é muito apreciado no Sul do Brasil, onde recebe a alcunha de cuca (ao que tudo indica, uma corruptela de ‘kuchen’).

De origem alemã também era a Vó Nair, exímia fazedora de variadas e aromáticas cucas atraidoras de visitas para o café no meio da tarde. Às vezes ela me deixava descascar, picar e passar em açúcar e canela as bananas da cobertura enquanto preparava a massa úmida. Por maior que fosse a quantidade de tabuleiros a preencher, por mais frenética que fosse a lida de preparar a massa, a farofa, o creme de coco com gemas e o café, a vó não se abalava.

A mansidão de seu andar já cansadinho persistia também na voz e no linguajar. Se o leite transbordasse, sujando todo o fogão enquanto ela tinha as duas mãos na massa (e eu era ainda muito pequena para que ela deixasse chegar perto do fogo), o máximo do mau-humor que deixava escapar era um estalar de língua e um ‘ai, o leite!’. Palavrões e xingamentos não faziam parte de seu falar.

Mas quando a cuca ficava pronta… ah, quando a cuca ficava pronta e o cheirinho de banana com canela, massa de pão fresquinha e coco queimado invadiam e alegravam o mundo ao redor, a vó ficava malina. Nessa hora, costumava proferir uma frase célebre, mezzo-trocadilho-mezzo-piada-interna. Empostava um sotaque alemão que não tinha, punha um olhar maroto e, usando o nome de algum filho, falava:

“Marquinho, não deixa o cuca aí!”

Quando a vó não estava ou não fazia cuca, a gente saía para comprar. Mas tinha de ser cuca verdadeira, não valia ser de padaria. De modo que, logo após o almoço, fazíamos pequenas viagens em busca de alguma ‘Cuca da Alemoa’, num raio de 100 a 200 quilômetros de curvilínias estradas de terra batida. E ao chegar lá, após escolher uns quatro ou cinco pedaços de sabores diferentes, quando a moça loira de bochechas rosadas já havia desaparecido para dentro da casa estilo enxaimel, invariavelmente alguém a chamava de volta: “Moça, ô moça… não deixa o cuca aí!” E a moça ficava vermelha e ria um riso gostoso com a cumplicidade de quem também devia ouvir a mesma brincadeira desde sempre.

Ontem me agarrou uma saudade e fiz duas cucas: a primeira foi de ricota e mel (ensinada pela Carla Pernambuco em seu livro Carlota: Balaio de Sabores), depois repeti a massa para essa aí da foto, de uva preta. A receita, comentada, testada e aprovada, vem para a semana.



14 comentários em “Sábado é dia de Cuca

  1. Larissa

    Uma das delícias da vida é poder recontar nossa história, nossas lembranças mais queridas. São elas que nos perpetuam e imortalizam pessoas que nos ajudaram a ser que somos, como nossos avós e pais. Lindo post. lembrei de minha avó, que fazia o melhor doce de banana que já experimentei. Um beijo.

    Responder
  2. Márcia

    Dadi, estou ridno aqui com o Cuca aí… Vós são uma graça, né?
    Em regra não sou muito chegada às cucas, pois as que vi são de banana ou maçã, e levam sempre canela, q detesto. Mas essa de uvas pretas aí, me atiçou o apetite… Adoro essas uvinahs suculentas!!!
    Bjos!

    Responder
  3. Babi

    ahh a da cuca da vó Nair….
    eu fiz uma de banana na sexta feira, também garrou-me a saudade e não resisti ao delicioso sabor da verdadeira cuca.
    =)

    Responder
  4. Neile

    Ai, Dadi…nem fala das adoradas vozinhas que eu me derreto de saudades das minhas Maria e Clara…Elas moravam em duas casas na mesma quadra, na mesma rua, uma ao lado da outra…veja que delicia!
    E ‘malina’ é expressão do tempo delas que eu ouvia a todo tempo…não que eu o fosse, veja bem..rs…os netos nunca eram..apenas as crianças das vizinhas.rs..
    Ai, Dadi…nem falo mais…falo apenas que sua cuca de uva preta está formosíssima!
    Um beijo muito fofo…

    Responder
  5. Oscar

    Ops.. não tenho site… Mas, entrei pela Página do Gaucho, me bandeei pro c=Ceguinho do Churrasco e acabei chegando por aqui. Que maravilha… seu relato sobre a vózinha, tambem me remeteu a mais de meio século atrás, quando as vós (e tambem minha mãe, depois) faziam as cucas da minha infância. Há poucos dias, eu, minha esposa e uma das filhas falavamos como o tempo extravia a gente… e como os cuidados com uma alimentação “mais saudável” (farofa de cuca = açucar e gordura = bomba atomica, ahahahah) fizeram deixar de lado as cucas, o tempo passou, as receitas perderam-se, uma pena… Espero achar a receita da verdadeira cuca ALEMÃ por aqui… Te desejo sucesso e que continues espalhando felicidades, porque assim a terás. De Cerejeiras, Rondônia, um abraço.

    Responder
  6. Beatriz

    Este texto informando a origem do bolo cuca irá me ajudar muito!!!!! com essas informações irei ganhar nota da professora.Muito obrigada .

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>




Arquivos

Post aleatório

Objeto de Desejo

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail