Nem ferver uma água…

8356808605 8d673a6e93 Nem ferver uma água...

purê de batata instantâneo

Basta ferver a água com sal e manteiga, adicionar leite, misturar o conteúdo do pacote e deixar descansar por meio minuto. Nada de escolher, cozinhar e descascar as batatas (a ordem ao gosto do freguês), passar pelo espremedor, juntar a quantidade desejada de manteiga e/ou leite, temperar, garantir que chegue quente à mesa, sujar louça, respingar fogão, pelar os dedos. Tudo muito rápido, tudo muito simples, tudo muito garantido.

Só que não. Apesar de ter lido as instruções, consegui errar o preparo de um purê de batata instantâneo, uns flocos liofilizados de feitura promissoramente rápida e indolor. Abri o pacote e, ato contínuo, dissolvi o conteúdo em água fria, juntei manteiga e sal, levei ao fogo, mexi, tirei do fogo, acrescentei o leite. E, estranhando a consistência, fui perguntar a quem já tinha feito aquela comida de astronauta. Risos por todo lado. “O 5 de janeiro de 2013 será conhecido como o dia em que a Dadivosa errou um purê de batatas instantâneo!”. Não se pode ganhar sempre…

Mas tinha feito um molho de cogumelos porcini com vinho que foi servido no centro de uma sopa de batatas meio sem gosto e a coisa toda não ficou exatamente ruim. O erro, como mais de uma pessoa apontou ao saber do mau passo instantâneo, foi justamente o fato de ser “instantâneo”. Faço sem problemas um purê do zero, desde a compra das batatas até a limpeza do último pingo de leite no chão. Mas deveria lembrar que em alguns casos sou mesmo à moda antiga. Quando se trata dessas poeiras mágicas industrializadas não sei nem ferver uma água. :)



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>




Arquivos

Post aleatório

Uma daquelas saladas

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail