Desgarrados

Tínhamos 15 e 16. Casamento da irmã mais velha dele, família por todo o lado. Vó Meloca esqueceu uma calçola-barraca-dupla no quarto, o tio pendurou no lustre, a véia procurando a casa toda sem querer dizer o quê e a gente rindo a tarde inteira. Deitamos no tapete da sala, cabeça com cabeça, enquanto todos corriam pra lá e pra cá entre vestidos e ternos e cheiro de laquê e sapatos novos.

- A gente devia era ficar solteiro pra sempre.

- É, e viajar o mundo.

- Isso, viajar o mundo!

- Então combinado, nunca vamos nos casar.

- Não vamos contribuir com a perpetuação dessa espécie. E seremos os tios preferidos: engraçados, divertidos e impertinentes, daqueles que ensinam todas as porcarias pros sobrinhos.

Ganhei mundo antes dele. Voltei. Visitamo-nos e saímos algumas vezes, rindo muito, falando de nós mesmos quase sem palavras. Não precisava, nos conhecíamos bem demais. Perdi uns quilos. Ele, uns cabelos.

Apaixonei-me por aquele francês, passei um tempo morando com ele. ‘Traidora’, disse, não lembro se por e-mail, telefone ou parentes. Ganhei mais mundo ainda. Um tempo depois ele ganhou mundo e apaixonou-se também. Por uma chata, ainda bem que acabou.

Ele casou com outra, eu casei com outro, não lembro em qual ordem. E nosso pacto foi pro beleléu, as famílias faziam questão de lembrar disso a cada encontro bissexto.

Ele teve uma filha. Eu, uma cachorra. E sabíamos um do outro pelos parentes. Até que eu descasei, ele descasou, não lembro em qual ordem. E rimos, nós dois e as famílias, da nossa profecia autorrealizadora. Tínhamos virado titios e solteiros, os dois.

Amanhã ele vem aqui em casa e vamos rir com e um do outro, como sempre, como se tivéssemos nos visto ontem. Ainda não sei o que vou cozinhar, só sei que vai ficar bom. A irmã mais nova dele vem também, com o marido. Serão nossas duas testemunhas do Encontro Quase Anual dos Primos Desgarrados.



12 comentários em “Desgarrados

  1. rosane

    maravilhoso….to vendo a cena..a confusão do vai vem da familia…o pão de millho com manteiga mole..a mortadela…..a meloca..e nós os tio velhos ,querendo lembrar de que familia é o casamento e que sala deitaram no tapete…e que crianças travessas.;.parecem um boi de vento sul….ah que saudades.bjs

    Responder
  2. ricardo

    Fê,você fotografa com palavras,texto perfeito,leio e rememoro cada segundo deste dia.bom encontro com os queridos:júnior e gigi.

    Responder
  3. Manu

    Ô, Dadi!!! Quantos anos desde que te visitei a primeira vez? Acho que lá se vão uns bons 5 anos… e não canso de te ler nunca, vê se escreve esse livro logo, tá? =D

    Responder
  4. Mara

    Como é bom ler o que você escreve. Rir, chorar, sonhar… Você nem imagina que do outro lado alguém que não lhe conhece, que nunca lhe viu ou verá… se emociona com o que você escreve…
    Estou torcendo por você… Não suma, te ler faz muito bem…
    Bjs
    Mara

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>




Arquivos

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail